Governo inaugura primeira panificadora estruturada do sistema prisional do MA

    Detentos já atuam na primeira panificadora estruturada do sistema prisional do estado. Fotos: Clayton Monteles/Sejap

    Detentos já atuam na primeira panificadora estruturada do sistema prisional do estado. Fotos: Clayton Monteles/Sejap

    Depois da inédita fábrica de blocos de concreto e meio-fio, inaugurada em outubro, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, o Governo do Maranhão apresentou, essa semana, mais uma importante e concreta proposta da política de reintegração social de internos, por meio do trabalho. No início desta semana, foi aberta a primeira panificadora estruturada do sistema prisional do estado, na Unidade Prisional de Ressocialização (UPR) do Olho d’Água, onde 90 detentos já iniciaram a produção de pães.

    A iniciativa é da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Sejap), que já confirmou parceria com o Governo Federal para a qualificação dos internos selecionados nessa atividade. “Os internos da panificadora aprimorarão seus conhecimentos com o Programa de Capacitação Profissional de Presos (Procap), do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). A ideia é que, ao término de suas penas, os internos estejam aptos profissionalmente”, explica o secretário Murilo Andrade de Oliveira.

    Primeira-Panificadora-do-Sistema-Priosional-do-MA-2Equipada com modeladores de pães, fornos, freezers, armários para transporte de pães e outros, a panificadora representa mais um investimento do governo Flávio Dino, na reintegração social dos apenados. “O ambiente é totalmente higienizado, e os internos têm à disposição maquinário novo e moderno. A estimativa é de que sejam produzidos diariamente mais de três mil pães, além de doces, bolos e salgados. Esses produtos atenderão a todos os presídios da região metropolitana”, completou o titular da Sejap.

    Investimento
    Com um investimento de mais R$ 363 mil, sendo mais de R$ 43 mil em profissionalização dos internos e cerca de R$ 320 mil só em equipamentos, o projeto consiste na oferta de trabalho e capacitação profissional. De forma permanente, a panificadora garantirá ainda o cooperativismo entre os beneficiados, que, segundo o secretário Adjunto de Atendimento e Humanização Penitenciária da Sejap, José Ribamar Cardoso Lima, contribuirá para a valorização e o resgate da dignidade da pessoa presa.

    “É mais uma iniciativa que vai proporcionar não apenas a devida qualificação profissional aos internos, mas, principalmente, a garantia de uma significativa oportunidade de inserção dos nossos apenados no mercado de trabalho, cuja falta sempre foi um dos grandes motivos para a reincidência criminal. Sem dúvida, essa panificadora é um ‘divisor de águas’ na vida do interno; e mais um passo importante do Governo do Estado na política de profissionalização nas prisões.”, frisou o secretário adjunto.

    Primeira-Panificadora-do-Sistema-Priosional-do-MA-3Com carga horária de 20 horas/aula, os internos terão a devida capacitação para gerir, de maneira eficiente, a panificadora da UPR do Olho d’Água. Na aula, que acontece de maneira prática e teórica, simultaneamente, em parceria com a Prefeitura de São Luís, os internos aprendem sobre os principais ingredientes da panificação, aditivos, higiene e profissionalismo, cálculos de balanceamento, e preparo de massas. Ao fim do curso, os internos receberão certificados, emitidos pelo próprio Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

    Mais
    A proposta futura da Supervisão de Trabalho e Renda da Sejap é de que mais de 500 detentos sejam beneficiados e recrutados para o trabalho na panificadora. Os internos serão contemplados, tanto com o curso profissionalizante, quanto com a emissão de documentos pessoais, como CPF, RG e Carteira de Trabalho, oferecidas aos que participarem das atividades. Além dos internos da UPR do Olho d’Água, detentos de outros presídios que compõem o Complexo Penitenciário de Pedrinhas também serão beneficiados com o projeto.