Governo recebe técnicos do Ministério da Saúde para capacitação sobre Componente Especializado de Assistência Farmacêutica

    A Secretaria de Estado de Saúde (SES), por meio da Unidade Gestora de Insumos Estratégicos, recebeu técnicos do Ministério da Saúde (MS), para abordagem sobre “Implementação de Ações para Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)”, com foco no Componente Especializado de Assistência Farmacêutica (CEAF). A capacitação aconteceu, no sábado (1º), no auditório do Centro de Medicina Especializada, no Bairro de Fátima (Cemesp).

    Participaram do encontro, farmacêuticos representantes de hospitais do município de São Luís, Hospitais Djalma Marques (Socorrão I) e Clementino Moura (Socorrão II), o Hospital de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira (HCM), e da união, Hospital Universitário Presidente Dutra. Atualmente, a Farmácia Estadual de Medicamentos Especializados (Feme), dispõe de 198 medicamentos do componente especializado em 360 dosagens diferentes.

    Segundo Ítalo Amim, chefe do Departamento de Medicamentos Excepcionais, a visita do MS irá ampliar o conhecimento sobre o CEAF em um tempo oportuno. “O objetivo é termos profissionais preparados para identificar os medicamentos especializados, saber como é um protocolo clínico, de que maneira é feita a incorporação desses medicamentos e, de forma geral, oferecer ao paciente um trabalho qualificado”, afirma Ítalo Amim.

    Dentre os temas abordados, estão a história e evolução do CEAF, portarias de repasse, protocolos clínicos, incorporação na Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia (Conitec), além de diretrizes terapêuticas.

    A técnica farmacêutica representante do Ministério da Saúde, Sandra Barros, explica que desde que o CEAF foi regulamentado, por meio da portaria 2.981 de 2009, o MS ainda não havia realizado oficinas nos estados para observar como tem sido executado o trabalho das secretarias, e orientar os técnicos no manejo desses medicamentos. “Recentemente, o MS se voltou para essa necessidade de aproximação da assistência farmacêutica, visto que esse ano temos programado algumas mudanças na portaria, para abordar o CEAF de forma mais esclarecedora”, ressalta a técnica.

    O farmacêutico bioquímico Francisco Reivilândio Barros, classifica toda forma de capacitação técnica como válida para a finalidade maior que é o atendimento ao público. “Tiramos algumas dúvidas relacionadas à abordagem que está sendo feita e corelacionadas ao novo sistema que está sendo implantado. O trato com medicamentos especializados requer mais estudo e atividades que venham somar ao conhecimento da classe médica”, pontuou.

    De acordo com a Unidade Gestora de Insumos Estratégicos, ainda em 2015, outras atividades de capacitação serão realizadas para dar continuidade ao fortalecimento da Assistência Farmacêutica do Maranhão.